Blog

Arquivos Mensais: fevereiro 2016

VM: Tendências e Desafios

VM: Tendências e Desafios

O Retail Design Institute Brasil e  IED São Paulo convidam para a palestra Visual Merchandising: Tendências e Desafios, com Manoel Alves Lima e Ana Costa

Manoel Alves Lima Vice- Presidente do RDI Brasil ( Retail Design Institute Brasil ), Sócio-fundador da FAL Design Estratégico para varejo, curador do evento Redeseign, palestrante internacional e criador da Omniera, a loja do futuro. Store Design Awards 2012 do Retail Design Institute com a Saraiva; o premio de loja do ano da ABF em 2015 com o Bob’s; o de loja do ano do RDI Brasil 2014 com a Addin, e o Popai Brasil 2015, na categoria ouro, com a Riachuelo.

Ana Costa Diretora do Ibevar – Instituto Brasileiro de Varejo, responsável pelo núcleo de Desenvolvimento de Novos Projetos na multinacional ALU. Foi diretora executiva do Popai Brasil até 2014. É graduada em moda, com MBA em Branding e especialista em tecnologia têxtil, visual merchandising e comportamento do consumidor.

Serviço 03/03, quinta-feira das 19h30 as 21h

No auditório do IED São Paulo

Rua Maranhão, 627, Higienópolis

Inscrições gratuitas clique aqui.

Deixe um comentário

Omega Light – inovação em iluminação

Omega Light -  inovação em iluminação

A Omega Light, patrocinadora premium do RDI Brasil, é referência no mercado de iluminação brasileiro. Há quase duas décadas, fornecem iluminação e desenvolvem projetos para o varejo, corporações, condomínios, escolas, clínicas, hospitais e indústrias.

A Omega compartilhou conosco um pouco do projeto da Portobello Shop, na Vila Olímpia, em São Paulo, inaugurado em 2015, ganhador do Prêmio ABF + RDI Design, na Categoria Projeto Arquitetônico Loja. O projeto foi realizado em parceria com o escritório de arquitetura Marchetti Bonetti + Associados e tem o Lighting Design assinado pela Foco Luz e Desenho.

Os projetores de LED da Omega Light utilizados no projeto, possuem variedade de fachos, recuo anti ofuscamento e dissipador térmico. Excelente opção para ser usada em showrooms e exposições.

Confira mais detalhes técnicos do projetor :  http://goo.gl/Jv1RyV

porto_belo_omegalightFoto: Demian Golovaty


 

Deixe um comentário

Construção e reforma de lojas de shopping

Construção e reforma de lojas de shopping

Qualidade na prestação do serviço, rapidez para cumprir os prazos combinados… Todos esses pontos positivos na construção de uma loja de shopping podem ficar em segundo plano na percepção do cliente, se acontecerem problemas relacionados ao orçamento da obra.

Assim que decide abrir uma loja, o empresário deve montar um plano de negócios, prevendo as despesas e receitas, para apurar o lucro e o tempo necessário para o retorno do investimento. Uma das primeiríssimas despesas que ele deve considerar é justamente a execução da obra. Se houver divergência de valores já nesse primeiro passo do empreendimento, todo o plano de negócios será prejudicado.

O orçamento eficiente é aquele que menos dá espaço a essa divergência de valores. Porque é transparente, abrangente e contempla todas as necessidades da construção ou reforma. Ninguém quer descobrir, no fim do processo, que houve um acréscimo no valor da obra. Com um orçamento eficiente, o empresário não tem surpresas – e a construtora conquista um cliente fiel.

TRANSPARÊNCIA E RELACIONAMENTO

A transparência passa por conscientizar o cliente de que o orçamento precisa contemplar as exigências e normas técnicas da ABNT, as exigências dos projetos (arquitetura e complementares) e, não menos importante, as exigências da administração do shopping center em questão – e que poderão ser repassadas ao custo final (depende de contrato entre shopping e locatário). Por exemplo, a troca do cabo de alimentação da loja, ou a instalação de medidores de energia – ou mesmo a inclusão de outra tecnologia que o shopping use como padrão, mas aquele espaço comercial ainda não tenha a infraestrutura necessária de acordo com a modernização das operações

O bom relacionamento entre construtora e shopping vale também para o alinhamento de expectativas. Às vezes, o empresário tem pressa em receber o orçamento – o que é natural, já que seu plano de negócios precisa dessa informação. E, no entanto, os projetos ainda não foram totalmente aprovados pela administração do shopping center.

LIDANDO COM IMPREVISTOS

Esse bom relacionamento, pautado pela transparência, é importante também quando surgem imprevistos. Um exemplo recorrente é quando a loja primeiro tem de ser demolida para que se inicie o novo projeto e, ao longo do trabalho de demolição, são encontrados elementos escondidos, que podem influenciar tanto no projeto quanto no orçamento.

Outro imprevisto que pode surgir é a falta no mercado de um determinado material contemplado no projeto. Cabe à construtora informar essa condição imediatamente e trabalhar em conjunto com o cliente e o escritório de arquitetura – para que todas as partes concordem quanto a um material substituto, que mantenha não só as características do primeiro quanto os custos envolvidos.

Um eventual aumento súbito de preço de algum material no mercado tem de ser assumido pela construtora – que precisa honrar o compromisso assumido com o cliente. Por isso mesmo, o orçamento apresentado precisa ter um prazo de validade sucinto, para evitar oscilações de preços no decorrer do período de trabalho.

Mais um imprevisto que pode surgir: o cronograma prejudicado em decorrência de terceiros. Por exemplo, caso a administração do shopping decida realizar – sem um aviso com antecedência suficiente – a manutenção elétrica da rede do shopping center, e isso resulte numa paralização das obras por até três dias. Nesse caso, construtora e lojista devem trabalhar em conjunto para negociar com o shopping novos horários para a obra. E a construtora deve rever a sequência prevista de atividades e aumentar a força de trabalho em todas as etapas para tentar recuperar os dias perdidos.

A boa construtora, verdadeira parceira de seu cliente, é aquela que se antecipa ao que pode ocorrer ao longo do período de execução da obra, sabendo lidar com os imprevistos para que o cronograma inicial – e o orçamento combinado – não sejam prejudicados.

Caso o imprevisto seja de uma dimensão tamanha que, apesar de todos os esforços da construtora, acabará tendo uma influência negativa no que foi planejado, é importante que isso seja informado com antecedência ao seu cliente, para evitar eventuais penalidades e todos chegarem a um novo caminho a ser seguido. Daí também a importância da qualidade do gerenciamento da obra, que permite analisar o impacto que o imprevisto terá no orçamento e no cronograma.

 

Felipe Magrini, diretor da FAST GERENCIADORA e CONSTRUTORA

 

 

Deixe um comentário

RDI Internacional resume tendências no varejo de NYC

O consumidor quer ser surpreendido na hora da compra, ele busca por ambientes interativos, que vão desde espaços que permitam customizações e valorizam o artesanal, a espaços que vendam produtos “inteligentes”, que se conectam com tecnologia. Enfim, espaços que promovam uma verdadeira experiência de compra. Confira a relação de lojas recentes abertas em Nova Iorque, divididas em  diferentes comportamentos de consumo, que foram apresentadas na palestra do Retail Design Institute durante a NRF 2016.

Rico em conteúdo

Há um crescente apetite por um varejo culturalmente enriquecido, que não se encontra em qualquer lugar e que destaque as experiências de compra dos consumidores que querem uma história autêntica. Esses consumidores procuram por sentido e profundidade nas marcas, além de uma curadoria de produtos selecionados. Exemplos: MUJI 5th Ave., Ralph Double RL (Brooklyn ), &Other Stories 5th Ave., Want Les Essentials,Toms Shoes and Cafe Store.

a dining review

RDI_NRF (2)

RDI_NRF (3)

Pessoal

Para se criar uma relação com o consumidor que faça sentido, temos que nos engajar com eles a nível pessoal, fazendo com que a oferta de produtos pareça feita sob medida para eles. Marcas estão transformando suas lojas, de simples locais de venda para pontos de encontro criativos. Exemplos: M.A.C. Makeup Studio , Mast Bros Chocolates, Polo Ralph Lauren 5th Avenue, Nudie Repair Shop (Soho), Kit & Ace, Stance, Tattly Parlor, Gilt by Appointment, Repetto.

RDI_NRF (4)

1

2

Social 

A loja física permanece como ponto chave para a experimentação da marca, incentivando-se a venda através de outros canais também. Ao oferecer aos clientes e aos funcionários uma experimentação localizada, cria-se um sentido de participação e pertencimento dessas pessoas na comunidade que vivem. Exemplos: GStar Raw ( Brooklyn ), Patagonia ( Soho ), Normal, NBA Flagship 5th Ave.

3

4

5

Sensorial

Focada em experiências tangíveis, reais e que engajam os sentidos, algumas lojas têm a oportunidade de proporcionar que se “sinta” a marca como ela é vista. Elevando a experiência do consumidor, da simples venda para uma real sedução. Exemplos: Valentino 5th Avenue, Galleria Melissa (Soho), Jeffrey Rudes, 11by Boris, Edon Manor, Byredo, Feit.

11

6

7

Quebrando Paradigmas

Obtém-se a atenção do consumidor surpreendendo-o na sua jornada tradicional de compra, através de incríveis encantamentos por meio de sinalização digital, aromatização, cores contrastantes, arquitetura com formas bem-humoradas e ousadas. Enfim proporcionando-lhe experiências memoráveis.Exemplos: Kith, Public Factory, Tory Sport, Kenneth Cole, Louis Leeman, Open Cerimony, Hunter.

8

9

10

 

 

 

Deixe um comentário

Regulamento do 5° Prêmio Design de Varejo

Documento

Fornecedores Premium

Apoio

Junte-se a nós!

O Retail Design Institute é uma associação internacional, fundada nos Estados Unidos, que congrega profissionais ligados à criação e projeto de imagens para o varejo.
Como se associar » Beneficios »

Translate:

Translate »