Retail Design Institute A essência do Design está na Experimentação

Fórum Internacional: Design, Varejo & Inovação

RDI-FORUM-ESPM

2 Comentários

Inscreva-se! Prêmio RDI Brasil Design de Varejo 2016.

Inscreva-se! Prêmio RDI Brasil Design de Varejo 2016.

As inscrições são válidas para todo território nacional até o dia 30 de setembro.

RDIRetail Design Instituteé uma associação internacional, fundada nos Estados Unidos, que congrega profissionais ligados à criação e projeto de imagens para o varejo. Entre os seus associados estão arquitetos, designers de interiores, visual merchandisers, vitrinistas e designer gráficos, realmente comprometidos com o segmento, além de destacados representantes do trade.

Neste ano, o RDI BRASIL organiza a 4ª edição do Prêmio Design de Varejo, que foi criado com o intuito de reconhecer e premiar os melhores projetos de design de varejo em 2016. Podem se inscrever profissionais autônomos, tais como arquitetos, designers e visual merchandisers, além de escritórios e empresas, voltados para o design para varejo, que poderão concorrer em 12 categorias, entre elas vitrines, supermercados e hipermercados, lojas de alimentação, lojas diversas, pop-up stores, quiosques. A lista completa de categorias e regulamento estão disponíveis aqui. O evento deste ano conta com o patrocínio da Fast, Droid, Omega Light, Olver, Profissionais e apoio do IED São Paulo.

“O Prêmio Design de Varejo é hoje o mais importante do Brasil, pois é o único que reconhece e premia os melhores profissionais do design de varejo, além de contar com uma chancela internacional, também inédita no país”, afirma, George Homer Jr., Presidente do RDI.

As inscrições podem ser feitas até o dia 30 de setembro de 2016. Os projetos serão avaliados por comissão formada por uma comunidade de designers e profissionais renomados de cada área. A premiação será no dia 01 de dezembro no IED (Instituto Europeo di Design), em São Paulo.

Deixe um comentário

Marketing Democrático em marcas locais

Durante a feira Brazil Promotion que aconteceu esse mês em São Paulo, tivemos a palestra sobre os comportamentos de consumo atuais e marcas que estão praticando um marketing democrático. A especialista em branding e consumo Ana Costa, que foi executiva do Popai Brasil e o arquiteto Zé Henrique, da Studio Zeh, diretores do RDI Brasil, trouxeram alguns exemplos de varejos que trazem uma boa experiência para o consumidor atual que tem perfis bem distintos.

Banco Original

Av. Faria Lima – São Paulo
Projeto: Miguel Goes – MGoesAD
Ano: 2015
Colaboração Disruptiva
Com um pensamento disruptivo de que hoje, o banco tem que vir até o cliente e não o cliente que tem que vir até o banco, surge um novo conceito de banco como hub de encontro. Um espaço democrático, para clientes ou não, com serviço de café, onde é possível encontrar pessoas e fazer pequenas reuniões.

fmyd-studio.com

Via fmyd-studio.com

fmyd-studio.com

Via fmyd-studio.com

2 Banco original fmyd-studio.com

Via fmyd-studio.com

Storvo

Vila Madalena – São Paulo
Projeto: NEO ARQ
Marketing de Significado
Trouxeram o marketing de significado para o ponto de venda, ligando o movimento de food trucks aos sneakers da marca que ganharam o The Stru Food, um tênis temático que a sla tem aroma de bacon.

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Heineken Beco das Garrafas

Local: Copacabana – Rio de Janeiro
Projeto: Heineken + Agência Hands
Ano: 2014
Brandlove
A marca não quer mais um cliente e sim um fã. O projeto resgata e apresenta a bossa de um jeito inesperado para uma nova geração e restaura e reinaugura um importante ponto turístico na cidade maravilhosa.

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=5tFlYdHb_5I[/embedyt]

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Rua Café

Vila Olímpia – São Paulo
Projeto: Studio Zeh
Em andamento
Descompressão compartilhada
Um café diferenciado, com estacionamento para bikes, onde os atendentes são baristas e uma área tipo parklet ajuda a descomprimir as tensões do dia a dia, dos seus consumidores que trabalham nos escritórios da região. Pertencente ao mesmo café, uma micro ponto de venda de 3x4m chamada de Café U permite o acesso dos clientes diretamente pela rua servindo como um Hub de Convivência, amigável e de fácil acesso.

rua cafe - studio zeh

rua cafe - studio zeh

rua cafe - studio zeh

rua cafe - studio zeh

The North Face

Shopping Morumbi – São Paulo
Projeto: Studio Zeh
Ano: 2010
Storytelling de experiência
Como trazer uma marca de produtos de clima frio para um país tropical?
Em uma ação inovadora, foram estalados provadores temáticos temporários, como geladeiras, para que os clientes pudessem experimentar os casacos da marca como se estivessem em um local com neve. Além disso, fizeram várias ações para reforçar o lifestyle da marca com formadores de opinião, blogueiros, baladeiros, etc.

the north face - studio zeh

the north face - studio zeh

the north face - studio zeh

Deixe um comentário

Áreas sobre viadutos: arte, cultura, lazer e comércio

Localizado em Zurich West, na Suiça , o projeto Im Viadukt é uma recuperação de espaço público muito bem implementado. Realizado pelo escritório EM2N, o projeto conjugou uma rede de cultura, trabalho, lazer e comércio. Por cima do viaduto, passa uma das principais linhas de férreas da cidade, e na área de baixo está presente uma galeria comercial a céu aberto, com restaurantes, supermercados, etc.

Via im-viadukt

Via im-viadukt

Via ziolele

Via ziolele

Via im-viadukt

Via im-viadukt

Em São Paulo, o Mirante 9 de Julho, recente projeto de reforma urbana, foi realizado por meio de uma parceria público-privada e projetado pela MM18 Arquitetura. O projeto, conta com um espaço dedicado a gastronomia, entretenimento e uma programação alternativa.

Via Casa Vogue

Via Casa Vogue

Via Casa Vogue

Via Casa Vogue

B.Nunes | via Hypeness

B.Nunes | via Hypeness

Confira outros projetos realizados em viadutos de cidades como Paris, Viena, Buenos Aires e Ho Chi Minh.

Paris, França | via Hypeness

Paris, França | via Hypeness

Viena, Áustria | via Hypeness

Viena, Áustria | via Hypeness

Buenos Aires, Argentina | via Hypeness

Buenos Aires, Argentina | via Hypeness

Ho Chi Minh, Vietnã | via Hypeness

Ho Chi Minh, Vietnã | via Hypeness

 

4 Comentários

ENTREVISTA COM O ASSOCIADO

Mauricio Queiroz Arquitetura

Formado em arquitetura pela Universidade Mackenzie de São Paulo em 1990, Mauricio Queiroz, é pós‐graduado pela Politécnica de Catalunya Barcelona em 1993 , membro do RDI Brasil (Retail Design Institute Brasil) e Consultor da NRF (National Retail Federation) em Nova Iorque. Trabalhou em Barcelona com Mapasa (Comunicação visual para as Olimpíadas de 1992) e com Manoel Barcells Arquitectura (1993). O Escritório Mauricio Queiroz Arquitetura iniciou suas atividades em 1994 e atua nas áreas de: design de consumo, arquitetura, gerenciamento de projetos e design de interiores para projetos comerciais e residenciais. É também sócio na Empodere‐se – Design Thinking.

Omega Shopping Cidade Jardim

OMEGA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Como foi o projeto da Omega do Shopping Cidade Jardim, em São Paulo?
A loja da Omega do Shopping Cidade Jardim, sempre teve um bom desempenho, mas sentíamos falta de um espaço de relacionamento dentro da loja, que tivesse a assistência de um relojoeiro e espaço privado para eventos com um atendimento especial, exclusivo e atencioso. De certa forma, neste projeto, tivemos a evolução dos projetos anteriores com um direcionamento mais criativo.

- Quais foram os materiais utilizados?
Materiais nobres e sóbrios: madeira zebrano FSC, mármore Crema Marfil, vidros cizelados feitos artesanalmente, vidros champagne e aço inox.

OMEGA Mauricio Queiroz Arquitetura

OMEGA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Quais foram os desafios enfrentados?
A fidelidade aos materiais propostos pela matriz, sempre foram um desafio quando se pensa em uma execução 100% nacional. Os materiais são os mais nobres e exclusivos possíveis e funcionam como uma analogia aos produtos oferecidos pela marca. Couros, vidros ultraclear blindados, madeiras com acabamento ultra glossy, metais e vidros trabalhados manual e artesanalmente, balcões em corian diamantado, são alguns deles, entre outros.

- Houve algum pedido especial do cliente?
Sim, tivemos o pedido de uma biblioteca com bar e copa na loja, com espaço para poltronas e sofás. Um local hibrido, com a função de receber um cliente especial, que quer passar mais tempo dentro da loja, que pudesse aprender sobre relógios consultando livros ou conversar sobre detalhes técnicos com um relojoeiro. Ou simplesmente para a marca fazer um evento privativo para clientes especiais ou até fazer o lançamento de alguma coleção.

OMEGA Mauricio Queiroz Arquitetura

OMEGA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Qual foi o conceito de Visual Merchandising aplicado?
Muito minimalista. Temos os produtos expostos em 3 lugares: vitrine, parede e balcões. A setorização é sempre feita por coleções: com temas e embaixadores da marca. O Visual Merchandising e a Comunicação são sempre condizentes com as coleções. Assim, por exemplo, nas coleções 007, Dark Side of the Moon e de peças especiais, bem como nas de datas comemorativas das Olimpíadas (a marca é  o tomador de tempo oficial das Olimpíadas), os temas aparecem representados no próprio expositor. Para as imagens, trabalhamos com cortinas automáticas como pano de fundo para as vitrines, que representam a campanha global.  Nas paredes, utilizamos “canvas” com parte da história e embaixadores da marca.

- O que o projeto significou para a empresa/você?
Um desafio com precisão suiça (literalmente: no que diz respeito à fidelidade de materiais, prazos e budget). Gerenciamos tudo diretamente com a Suiça, nosso processo é um “Turnkey”, com a responsabilidade de criar e controlar todos as etapas do processo: do start do projeto até a inauguração da loja. Tudo literalmente cronometrado.

Under Armour Morumbi Shopping

UA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Qual foi a sua inspiração para o projeto da Under Armour no Morumbi Shopping?
Creio que tenha sido a própria história da marca. Conheci Kevin Plank, o KP, e grande parte de seu time. A UA nasceu no porão da casa de sua avó, ele era um atleta universitário, e não encontrava os produtos com tecnologia que julgava minimamente necessária para sua performance. O fenômeno da empresa nascida em garagem/porão se reflete na marca, que se tornou a marca do azarão, do “underdog”. É a marca do atleta que não é o super atleta, sortudo, mas a marca do atleta focado, resiliente, que treina e se esforça ao máximo para se superar. E auto superação é a tônica da Under Armour. Isto está amplamente inserido na loja, seja na arquitetura, seja no VM ou seja na comunicação. Esta foi a grande inspiração.

- Quais foram os materiais utilizados?
Piso em concreto (com as imperfeições que o material sugere), pintura, madeiras claras, couro e borracha para piso. Backlights em tela matrix. Mobiliário em aço com pintura, encaixes e cremalheiras desenhados customizados para a loja.

UA Mauricio Queiroz Arquitetura

UA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Quais foram os desafios enfrentados?
Como se trata de uma marca mundial, o branding internacional teve que ser mantido, mas tropicalizado para o Brasil. Como o mix de produtos fora do país é maior que o nacional, gerenciamos as categorias de produtos e o VM de forma diferente, priorizando os esportes nacionais e a cultura local.

- Teve algum pedido especial feito pelo cliente?
Sim, mantivemos o estoque no térreo, o que é muito pouco usual no Brasil devido ao tamanho e custo do m2 em Shoppings de ponta. Entretanto, desenvolvemos um sistema de armários deslizantes que otimizam o espaço.

UA Mauricio Queiroz Arquitetura

UA Mauricio Queiroz Arquitetura

- Qual foi o conceito de Visual Merchandising aplicado?
Fomos muito fiéis ao branding da marca, focando todos os elementos, imagens, acessórios e produtos com o tema “I Will” que significa treino, resiliência e superação. Imagens, manequins, aparelhos de ginástica e manequins em ação refletem esta postura.

- O que o projeto significou para a empresa/você?
Um desafio cumprido. Tivemos várias solicitações, como reuniões semanais com os Estados Unidos para decidir e aprovar todo o conceito, materiais, e budget. Foi um trabalho a quatro mãos e o resultado oi muito gratificante!

Deixe um comentário

Rebranding: A nova marca da rede Óticas Precisão

Rebranding: A nova marca da rede Óticas Precisão

O novo projeto da rede Óticas Precisão, com mais de 80 lojas localizadas nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, foi realizado pela Design Novarejo do nosso associado Marcos Morrone.

bt1_oticasprecisao_presentationcase41

O escritório desenvolveu, além do design da loja, toda a comunicação que incluiu: Logotipo e Identidade Visual. A alta tecnologia de ótica e a importância do estilo em óculos de lentes de sol foram o foco da rede Óticas Precisão. Um projeto integrado que garantiu com que todos os pontos de contato com a marca refletissem esse novo posicionamento mais conectado e atual.

bt1_oticasprecisao_presentationcase12

bt1_oticasprecisao_presentationcase14

bt1_oticasprecisao_presentationcase6

A loja em Macaé – Rio de Janeiro é a primeira loja utilizando esse novo conceito visual e ambiental – a equipe já está trabalhando em novas lojas da rede que, em breve , devem ser reinauguradas com novo padrão.

Para mais informações acesse:
http://novarejo.com.br/portfolio/#/oticas-precisao
https://www.facebook.com/DesignNovarejo
https://twitter.com/DesignNovarejo

Deixe um comentário

SIM VAREJO 2016 – Programação

Programação POPAI SIM VAREJO

1 Comentário

Reserva: Uma experiência de marca de Millennials para Millennials

A marca carioca de moda masculina Reserva foi criada em 2004 pelos sócios e amigos de infância Rony Meisler, engenheiro de produção e Fernando Sigal, publicitário. A ideia de montar a marca, surgiu quando estavam na academia de ginástica e perceberam que em uma mesma sala, haviam cinco homens vestindo o mesmo modelo de bermuda. Viram ali uma oportunidade de negócio, que hoje segundo uma lista organizada pela revista americana Fast Company, está entres as empresas mais inovadoras do mundo.

RESERVA_rio sul 1

Rio Sul | Projeto Santa Irreverência | Via UOL

Também segundo o site da revista Exame, a rede terminou o ano de 2015 com 36 lojas próprias,  cinco lojas franqueadas e mais de 1400 pontos multimarca, produzindo 1,5 milhão de peças ao ano. O grupo Reserva conta ainda com outras marcas, como Reserva Mini (infantil), Eva (feminino) e Huck, feita em parceria com o apresentador Luciano Huck, que também é socio investidor da Marca. O faturamento total do grupo no final de 2015 foi 230 milhões de reais. “Como executivo, o Rony é um pensador fora da caixa. Transforma limões em limonadas com bom senso e criatividade”, diz Huck.

RESERVA_rio sul 2

Rio Sul | Projeto Santa Irreverência | Via UOL

RESERVA_rio sul 3

Rio Sul | Projeto Santa Irreverência | Via UOL

E pensando “fora da caixa”, a empresa nomeou o RH de “Fontes Humanas” e o Marketing Interno de “Felicidade”, iniciativas bem inspiradoras. No final de 2015 contratou “jovens com mais de 50 anos” para sua equipe de vendas temporária , que se transformou em uma ação obrigatória na empresa daqui para frente.  Projetos sociais como Rebeldes com Causa e Selo AF em parceria com o grupo AfroRaggae, são alguns exemplos entre vários, de engajamento, sustentabilidade e transparência. Atualmente, em parceria com a ONG Banco de Alimentos, a marca converte o valor da compra de 1 peça de roupa em 5 pratos de comida para quem precisa. “Para negócios que tenham como proposta atender Millennials torna-se relevante o posicionamento crível em prol de causas que tenham apelo e adesão dessa geração e atitude e ações consistentes que demonstrem de forma cabal esse alinhamento.” completou Marcos Gouvêa de Souza, depois de palestrar com Rony na NRF Big Show 2016 em Nova Iorque.

Nas lojas Reserva do Rio Sul no Rio de Janeiro e da Rua Bela Cintra em São Paulo, iniciativas como a cafeteria “Pretinho Básico ” em parceria com a Have a Coffee e uma barbearia em parceria com a Dr.Jones, além de uma máquina de customização de peças, onde é possível colocar frases e estampas em camisetas, completam a experiência de compra e, estão super alinhadas com as expectativas desse novo consumidor Millennial.

Bela Cintra | Projeto Santa Irreverência | Via Dândi Moderno

Bela Cintra | Projeto Santa Irreverência | Via Dândi Moderno

Reserva: https://www.usereserva.com/
Blog da Reserva: http://blog.usereserva.com/
Família Reserva: http://familia.reserva.com.br/
Facebook Reserva: https://www.facebook.com/usereserva

1 Comentário

Nova loja da Granado: Uma loja-armazém sustentável

Nova loja da Granado: Uma loja-armazém sustentável

A nova loja da Granado, localizada no Píer Sul na nova área do terminal 2 do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o RIOgaleão, foi desenvolvido In House pela equipe de Visual Merchandising da Granado. O Projeto, além de recriar um armazém com características da época da chegada da família imperial brasileira, tem um conceito sustentável, usando pallets de madeira, caixotes e, para complementar o visual, objetos de época como balanças e placas esmaltadas, que foram adicionados para completar o clima de épocas passadas.

Via Buyer & Brand

Via Buyer & Brand

“Hoje a Granado e a Phebo possuem cerca de 600 SKU’s. Como não conseguiríamos expor todos eles, priorizamos as linhas premium, como a Vintage Granado e as colônias e perfumes Phebo; os best sellers, que são as linhas Pink e Terrapeutics Granado, e os produtos indispensáveis em viagens. A vitrine dará destaque para a fragrância Carioca, que une o frescor do mar e a opulência da floresta com um toque sofisticado. Essa é uma das nossas grandes apostas para o mês das Olimpíadas.”, afirma Sissi Freeman, diretora de Marketing e Vendas das marcas.

A nova loja reforça a internacionalização da marca.

Via Buyer & Brand

Via Buyer & Brand

Via Buyer & Brand

Via Buyer & Brand

Deixe um comentário

ENTREVISTA COM O ASSOCIADO

Juliana Neves

Juliana Neves é a arquiteta titular da Kube Arquitetura, escritório carioca fundado em 2004 , especializado em Arquitetura Comercial e focado em projetar espaços que se conectam emocionalmente às pessoas.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ e mestre em Design pela PUC-RJ, com pesquisas em Design e Emoção, com ênfase em Design para todos os sentidos, foi pesquisadora na Brown University e possui especialização em Branding e Design e Trends Forecast. Hoje, além de estar à frente da Kube, ela é dá aula no curso de Projetos Comerciais no curso One Year Design de Interiores IED Rio e é professora convidada do curso de Retail Design & Branding da PUC-RJ.

Outer. Shoes

outer 1

Com a Outer. Shoes do Rio Design Barra, a Kube Arquitetura ganhou o primeiro lugar do Prêmio Retail Design Institute Brasil 2014, na categoria Projetos para lojas até 120m². O escritório também projetou o stand da marca que acaba de ganhar os três prêmios da ABF Expo Franchising 2016: Design de Stand, Stand Inovação e Stand Sustentabilidade.

Qual foi a inspiração para a criação do stand da Outer. Shoes para a feira da ABF 2016?

O espaço de 40 m² tem o mesmo conceito das lojas da marca, “Jardim Urbano”, mas não se trata de uma reprodução. A Kube levou o clima da Outer. Shoes para a feira, criando uma atmosfera leve, fresca, contemporânea e inserida nos habitats da marca, trazendo um pouco de natureza para dentro da cidade.

Quais foram os materiais utilizados?

Na parede de fundo do stand foram usadas 120 caixas plásticas feitas de material reciclado, que foram recompradas pelo fabricante ao final do evento. As plantas, assim como os móveis em papelão reciclado da H18 Ecodesign, foram alugadas. Os nichos em pinho, uma madeira simples de tábua de obra, serão reaproveitados nas lojas. A Kube Arquitetura também pegou poltronas emprestadas do escritório da Outer. Shoes e a decoração feita com objetos garimpados terão as lojas como destino. A mesa da vitrine, onde alguns produtos foram expostos, foi feita com restos de madeira que seriam jogados no lixo. Um metalon que formava uma caixa delimitava a área do estande.

outer 2

outer 3

Quais foram os desafios desse projeto de stand da Outer . Shoes?

Reproduzir o conceito “Jardim Urbano” da marca para uma arquitetura efêmera de um stand, gerar poucos itens descartados e, também, encontrar um fornecedor que estivesse disposto a recomprar os caixotes ao final do evento para novo uso.

Teve algum pedido especial feito pelo cliente?

Transformar o stand em um pequeno oásis nos corredores da feira, onde os visitantes ficassem livres para entrar e interagir.

O que o projeto significou para a empresa?

A Outer. Shoes ganhou os três prêmios da feira com o stand, o que deixou a Kube muito feliz por ter ajudado a marca a ter esse reconhecimento na ABF, além de, alguma forma, também ter recebido atenção por ter projetado o stand que encantou os corredores da feira.

Centro de Visitantes das Paineiras

RES_BAR_GERAL

RES_EXT

Para oferecer uma boa infra aos visitantes que aguardam subir para o Cristo Redentor, a Kube Arquitetura foi contratada para projetar todas as operações comerciais do novo Centro de Visitantes das Paineiras no Rio: um restaurante com 260 lugares com 240m² de área interna, uma lanchonete e um bar que somados têm 156 lugares e 390m², e uma loja de souvenires por onde todos os visitantes passarão para embarque e desembarque do transporte que leva à estátua do Cristo Redentor.

Qual foi a inspiração para a criação dos projetos do Centro de Visitantes Paineiras?

A proposta dos projetos Paineiras-Corcovado era de não só integrar o visitante ao parque, com sua biodiversidade imensa, mas também uni-lo à natureza e revelar a floresta para quem visita o Cristo Redentor, oferecendo infraestrutura para os 10 mil visitantes diários que aguardam seu horário de subida para a estátua. O projeto faz uso de texturas naturais e elementos encontrados na natureza.

Quais foram os materiais utilizados?

No Restaurante Mirante Paineiras, o piso está sendo preservado, assim como os azulejos e a antiga lareira desativada: símbolos de uma história da cidade contada através da arquitetura. Além disso, A Kube desenhou luminárias de cobre com tecido metálico, um balcão em madeira demolição, portas quadriculadas em ferro pintadas de preto e duas árvores de madeira que trazem um ar sofisticado e contemporâneo aos elementos originais do espaço.

Bar das Paineiras

O Bar das Paineiras tem uma linguagem que se conecta ao restaurante através das esquadrias pretas, a paleta de cores, tijolos aparentes e do piso preservado que é o mesmo desenho do outro ambiente. As belas colunas de ferro que foram as primeiras coisas construídas no local também estão sendo preservadas e sua cobertura está sendo reconstruída com o mesmo material de antigamente. O projeto da lanchonete Naturê conta com luminárias de vime e uma estante suspensa desenhadas pelo escritório, além do azul do balcão ser inspirado no mar e céu característicos do Rio de Janeiro.

Quais foram os desafios do Bar das Paineiras e do Naturê?

No alpendre, onde ficam o Bar das Paineiras e o Naturê, o desafio foi colocar duas operações de A&B com caras diferentes, mas que, de alguma forma, dialogassem entre si. Para esse link, escolhemos o uso das esquadrias pretas que fica no local.

No Restaurante das Paineiras, o desafio foi criar elementos que preservassem e dialogassem com os materiais originais do espaço.

ALP_BAR DAS PAINEIRAS

ALP_NATURE

ALP_GERAL

Loja das Paineiras

A loja conta com um painel que remete aos galhos das árvores da floresta, desenhado para guiar os visitantes pelo espaço através das sombras projetadas através dos galhos. Os produtos ficam expostos em uma estrutura verde de vergalhão.

LOJ_ENTRADA E LATERAL BILHETERIA

LOJ_INFANTIL

E na Loja das Paineiras ? Quais foram os desafios?

Um grande desafio na Loja das Paineiras foi que, por ela ser uma loja de souvenires, possuía um grande mix de produtos que poderia mudar a qualquer momento. Dessa forma, o projeto teve de se adaptar para essa variedade de produtos. Além disso, a loja fica na passagem para a área de embarque, então o mobiliário de meio de loja foi projetado de forma a poder ser montado ou desmontado,  de acordo com o fluxo de pessoas esperado para o dia.

Teve algum pedido especial feito pelo cliente?

Uma das premissas do projeto era de que todos os ambientes fossem acessíveis para pessoas com qualquer tipo de restrição: idosos, cegos, cadeirantes, etc. Os banheiros, balcões e expositores do restaurante, bar, lanchonete e da loja foram pensados para que todos os visitantes não tivessem nenhuma dificuldade.

Qual foi o conceito de Visual Merchandising aplicado?

Em parceria com a 100Norma Produções, a natureza do entorno foi a grande inspiração na criação de Visual Merchandising para a Loja das Paineiras. Para destacar o mix de produtos e direcionar o olhar do cliente dentro do PDV, ilhas de setorização sistêmicas com tools de alturas diferenciadas e equipamentos organizacionais foram criados:  tudo preparado com o intuito de integrar produto, design e comercial. Linhas orgânicas, materiais naturais e brasileiros e cores inspiradas na Floresta da Tijuca ajudaram a criar elementos visuais específicos para valorizar a exposição no interior da loja.

O que o projeto significou para a empresa?

O projeto tem visibilidade internacional e é o de maior público que a Kube já fez. Cerca de 10 mil pessoas de todas as nacionalidades passarão pelo Centro de Visitantes das Paineiras diariamente para ver uma das 7 maravilhas do mundo moderno e irão conferir os projetos que fizemos para o centro de visitantes.

Equipe Kube Arquitetura

Equipe Kube Arquitetura

Deixe um comentário

Page 10 of 22« First...8910111220...Last »

Fornecedores Platinum

Fornecedores Gold

Fornecedores Silver

Fornecedores Bronze

Apoio

Junte-se a nós!

O Retail Design Institute é uma associação internacional, fundada nos Estados Unidos, que congrega profissionais ligados à criação e projeto de imagens para o varejo.
Como se associar » Beneficios »

Translate:

Translate »